Universais

Tão separados pelos dialetos e desafetos da vida. Tão coesos em juntar métodos comuns separatistas e pessimistas. Tão bons em coisas imprestáveis. Tão eficientes em ilustrar as diferenças. Em dias de preconceito, seleções de cupas[…]

Continue a ler …

Motivos

Tão destemidos achamos que somos descansados em razões. Tão protegidos estamos conjurando as vocações dos acontecidos esquecidos em nós. Tão concentrados em sermos ilhados nos caminhos que traçamos para o sucesso, tão sós, tão finitos.[…]

Continue a ler …

Um eterno soldado

Es que no campo apenas sobra ainda o único que sobre o manto da sorte ou do acaso esteve. Ainda sobra o único que busca ou buscou um ângulo diferente para apontar o fim. Um[…]

Continue a ler …

Sensuais

Eu sei, é subjetivo e controverso, mas nos redemos, eu sei! Necessários obscuros do desejo animal, esse do selvagem que habita o inigual senso comum. Moralistas defensores de aprendedores que sentirão o mesmo desejo que[…]

Continue a ler …

A culpa é sua

Bons em culpar o mundo, o outro, a vida! Andantes tristes sorridentes, perfeccionistas elaboradores do erros mais evidentes, salvadores dos perigos mais aparentes. Nunca culpados, nunca errados. Vítimas das escolhas que fizemos, mas não merecedores[…]

Continue a ler …

Tenha paciência com elas

Apaixone-se, é o que nos resta. Eu sei, elas complicam e confundem, mas fazem isso tão bem né! É tão bonito não entender os chiliques e as agressões sensuais contra o fim do dia cansativo[…]

Continue a ler …

Novos velhos

Identificados em meio a multidão de normais espectadores dos ardores de sempre. Serenos revoltos adornados de uma sabedoria dolorosamente desenvolvida pelas camadas densas do tempo cotidiano. Os “novos velhos que não sabem a idade” e[…]

Continue a ler …

Predefinidos

Chegados prontos, julgados montados, eleitos o que querem que sejamos. Por gênero, cor, sexualidade. Por motivos, razões ou arbitrariedades. Irregulares “pré qualquer coisa”. Vivemos e morremos imagens, sangramos e suamos exemplos, existimos estimados na opinião[…]

Continue a ler …

Instintivamente selvagens

Enjaulados, presos em prisões sociais, lugares racionais onde os compartimentos e sentimentos tem que estar. Sempre?! Selvagens sutilmente libertos em instantes minuciosos dos avulsos ecos do instinto. Vivos regredidos nos balanços das músicas, nos prazeres[…]

Continue a ler …

O cheiro da paz

Mal sabemos que elas querem firmeza. Firmes no que somos, no que falamos, no que prometemos. Mal sabemos que o que elas querem é confiar fácil no que mostramos. Ser fácil no que findamos no[…]

Continue a ler …

A coragem

Muitas vezes, aprisionados dentro de invólucros que não fazem jus ao guerreiro. Destemidos e munidos de uma soberania nata, guinchados e elevados por um ego indestrutível, não necessariamente corretos, intocáveis ou imortais. Meros mortais incríveis.[…]

Continue a ler …

O que é um relacionamento?

Tão simples. Escolhe-se o brinquedo e embarca-se. Saudoso e corajoso, senta-se. Sufocados pelo medo, permitimos e partimos. Inicia-se o que achamos que sabemos acontecer. Devagar e cautelosos fingimos construir a perfeição, tão imaturos somos. Há[…]

Continue a ler …

Eu lamento

Por tudo que não tenhamos culpa, culpamos! Por mais sombria que seja a verdade que nos motiva, por mais silenciosa que seja toda essa nossa procrastinação, lamentamos. Lamentamos pela chuva que cai e não temos[…]

Continue a ler …

Desculpa, ele só escuta gestos

Surdos, cada dia menos ouvidos, cada dia menos ouvintes. Videntes, olhando onipotentes a incrédula vida dos que não são, não fazem, não podem por merecimento. Talvez minha, talvez sua falta de talento em viver direito.[…]

Continue a ler …

Ou você é de fatos ou é de sorte

Sempre divididos entre as questões mais enigmáticas, os problemas mais asmáticos, hipotéticos ou patéticos! A quem conte de forma diferente, mas confundir fatos merecidos com sorte ocasional, é um erro precoce. A quem faça dos[…]

Continue a ler …

Prazeres baratos

Que tenhamos prazeres que possamos pagar e manter até que virem coisas que não façam mais sentido. Diga-me, com todo o imediatismo que estamos tendo, me diz você, nesse exato momento da sua vida, você[…]

Continue a ler …

Musica e as mulheres

Ao “cult” que espera um declamador texto filosofal, espere mais, mas leia esse também. Talvez ouçamos, nós homens, a música de forma diferente delas. Talvez elas transformem a música em algo diferente em nós. Não[…]

Continue a ler …

O que ela quer de verdade?

Não vou fingir que não sinto! Depois de muitos pensamentos incomuns, os comuns em mim não pensam mais! No fundo, buscamos decifrar particularmente a mente que feminina a mulher menina que observamos sem olhar. É[…]

Continue a ler …

Apenas cafuné

Tão míticos quanto folclóricos. Dias atuais os que suportam os iniguais motivos nossos de sermos plenos. Grandes pequenos, bravos trêmulos. Reduzidos aos gemidos do ego. Silenciados pelos motivos cegos que temos, ingênuos. Nós! Querendo um[…]

Continue a ler …

Brutalmente pressionados

  Eu sei que você está cansado também! Todo o peso do mundo nas costas de um só, é assim que você acha que a humanidade divide o fardo? Será mesmo que só você está[…]

Continue a ler …

Meros mortais

  É, você também vai morrer! Agora, depois, a qualquer momento. Vamos amolecer e adoecer, perder a visão ou os cabelos. Ficaremos fracos e desajeitados, não seremos assim tão desejados, apalpados ou convocados,  seremos o[…]

Continue a ler …

Minha biografia da escrita

  Um desajeito de primeiras palavras chanfradas e uma ma colocação sentimental. Uma revolta envolta de toda minha pouca indagação. Explicações de ações “miraboladas” nas emboladas baladas da vida. Como um manual, eu ainda me[…]

Continue a ler …