Reclamões

Fugitivos dos motivos, desculpados dos acasos que causamos, certos dos erros que entregamos para que outros se sintam mal, patéticos declamadores do jeito nosso de fazer o certo, auto decretados inocentes e inconformados com as[…]

Continue a ler …

Evolua

Tristes dias os que nos diminuem a tentativa chula do entendimento. Tristes tempos em que consumimos a necessidade de sermos acessíveis limitados pelos limitados procrastinantes. Tediante, irritante senso comum que me vence. Talvez deprimente, evidente[…]

Continue a ler …

Óbvios

Cansa como planejar uma vingança que não faz sentido algum, falando nisso, vingança não faz sentido algum. Esses óbvios que tomam as minhas conversas com a razão. Esses lógicos que monocromatizam minhas obscenas ideias sentimentais.[…]

Continue a ler …

Falhando miseravelmente

De formas colossais, banais, geniais ou incríveis. Falháveis! Destemidamente tentado ao sucesso, falhamos. Irrevogáveis em tentativas mirabolantes, falhamos. Coesos vistos poéticos e éticos, falhamos também. Propensos ao fracasso de sempre quando o sempre não nos[…]

Continue a ler …

Sim, você está mudando

É lento, gradual, doloroso, assustador, único e absurdamente gratificante. Viver é aturar a constante. Há quem não perceba que mudou, Há quem mude e não identifique os motivos. Somos a soma de nossos atrativos, e[…]

Continue a ler …

Universais

Tão separados pelos dialetos e desafetos da vida. Tão coesos em juntar métodos comuns separatistas e pessimistas. Tão bons em coisas imprestáveis. Tão eficientes em ilustrar as diferenças. Em dias de preconceito, seleções de cupas[…]

Continue a ler …

Motivos

Tão destemidos achamos que somos descansados em razões. Tão protegidos estamos conjurando as vocações dos acontecidos esquecidos em nós. Tão concentrados em sermos ilhados nos caminhos que traçamos para o sucesso, tão sós, tão finitos.[…]

Continue a ler …

Um eterno soldado

Es que no campo apenas sobra ainda o único que sobre o manto da sorte ou do acaso esteve. Ainda sobra o único que busca ou buscou um ângulo diferente para apontar o fim. Um[…]

Continue a ler …

Sensuais

Eu sei, é subjetivo e controverso, mas nos redemos, eu sei! Necessários obscuros do desejo animal, esse do selvagem que habita o inigual senso comum. Moralistas defensores de aprendedores que sentirão o mesmo desejo que[…]

Continue a ler …

A culpa é sua

Bons em culpar o mundo, o outro, a vida! Andantes tristes sorridentes, perfeccionistas elaboradores do erros mais evidentes, salvadores dos perigos mais aparentes. Nunca culpados, nunca errados. Vítimas das escolhas que fizemos, mas não merecedores[…]

Continue a ler …

Tenha paciência com elas

Apaixone-se, é o que nos resta. Eu sei, elas complicam e confundem, mas fazem isso tão bem né! É tão bonito não entender os chiliques e as agressões sensuais contra o fim do dia cansativo[…]

Continue a ler …

Novos velhos

Identificados em meio a multidão de normais espectadores dos ardores de sempre. Serenos revoltos adornados de uma sabedoria dolorosamente desenvolvida pelas camadas densas do tempo cotidiano. Os “novos velhos que não sabem a idade” e[…]

Continue a ler …

Predefinidos

Chegados prontos, julgados montados, eleitos o que querem que sejamos. Por gênero, cor, sexualidade. Por motivos, razões ou arbitrariedades. Irregulares “pré qualquer coisa”. Vivemos e morremos imagens, sangramos e suamos exemplos, existimos estimados na opinião[…]

Continue a ler …

Instintivamente selvagens

Enjaulados, presos em prisões sociais, lugares racionais onde os compartimentos e sentimentos tem que estar. Sempre?! Selvagens sutilmente libertos em instantes minuciosos dos avulsos ecos do instinto. Vivos regredidos nos balanços das músicas, nos prazeres[…]

Continue a ler …

O cheiro da paz

Mal sabemos que elas querem firmeza. Firmes no que somos, no que falamos, no que prometemos. Mal sabemos que o que elas querem é confiar fácil no que mostramos. Ser fácil no que findamos no[…]

Continue a ler …

A coragem

Muitas vezes, aprisionados dentro de invólucros que não fazem jus ao guerreiro. Destemidos e munidos de uma soberania nata, guinchados e elevados por um ego indestrutível, não necessariamente corretos, intocáveis ou imortais. Meros mortais incríveis.[…]

Continue a ler …

O que é um relacionamento?

Tão simples. Escolhe-se o brinquedo e embarca-se. Saudoso e corajoso, senta-se. Sufocados pelo medo, permitimos e partimos. Inicia-se o que achamos que sabemos acontecer. Devagar e cautelosos fingimos construir a perfeição, tão imaturos somos. Há[…]

Continue a ler …

Eu lamento

Por tudo que não tenhamos culpa, culpamos! Por mais sombria que seja a verdade que nos motiva, por mais silenciosa que seja toda essa nossa procrastinação, lamentamos. Lamentamos pela chuva que cai e não temos[…]

Continue a ler …

Desculpa, ele só escuta gestos

Surdos, cada dia menos ouvidos, cada dia menos ouvintes. Videntes, olhando onipotentes a incrédula vida dos que não são, não fazem, não podem por merecimento. Talvez minha, talvez sua falta de talento em viver direito.[…]

Continue a ler …

Ou você é de fatos ou é de sorte

Sempre divididos entre as questões mais enigmáticas, os problemas mais asmáticos, hipotéticos ou patéticos! A quem conte de forma diferente, mas confundir fatos merecidos com sorte ocasional, é um erro precoce. A quem faça dos[…]

Continue a ler …

Prazeres baratos

Que tenhamos prazeres que possamos pagar e manter até que virem coisas que não façam mais sentido. Diga-me, com todo o imediatismo que estamos tendo, me diz você, nesse exato momento da sua vida, você[…]

Continue a ler …

Musica e as mulheres

Ao “cult” que espera um declamador texto filosofal, espere mais, mas leia esse também. Talvez ouçamos, nós homens, a música de forma diferente delas. Talvez elas transformem a música em algo diferente em nós. Não[…]

Continue a ler …

O que ela quer de verdade?

Não vou fingir que não sinto! Depois de muitos pensamentos incomuns, os comuns em mim não pensam mais! No fundo, buscamos decifrar particularmente a mente que feminina a mulher menina que observamos sem olhar. É[…]

Continue a ler …