Uma árvore no meu quintal

  Meras referências infanto representativas, minha árvore no quintal. Por quantas coisas pequenas mudamos grandemente o que somos? O que nos aconteceu que nos surpreendeu a ponto de mudar tudo? Somos as frases redundantes de[…]

Continue a ler …

Um ensaio sobre a colher

  O quão simples é falar de coisa simples? Sugestivos motivos imensos os que nos incapacitam poetizar pequenas coisas. Grandes coisas, estas sempre bem entrelaçadas em histórias incrivelmente máximas. Humanos ostentadores de momentos sutilmente inventados.[…]

Continue a ler …

Um blogueiro hétero

Juro, eu dispenso as piadas! Antes de tudo um medo imenso de ser julgado errado. Sobre ficar exposto e a gosto, escrever me deixa ilhado. Num universo sentimentalmente feminino, perguntado se transexualizando eu estava, respondia[…]

Continue a ler …

Enquanto você reclama

Os amores da minha vida! Ambos aos sessenta e sete anos poderiam com todos os membros amarrados, explicar sem espetáculo como ser as pessoas mais legais do mundo. Como todo casal, problemas, brigas e uma[…]

Continue a ler …

Infantilidades adultas

  Em tempo de adultos por vocação, a infância se embolada e isola os anos de evolução. Ainda estamos aprendendo a usar a idiotice como explicação, e por isso, estamos ficando adultos tão cedo. Compreendedores[…]

Continue a ler …