Eu dependo de idiotas

De todas as maneiras possíveis! E quando choro de raiva, quando sou grosseiro e egocêntrico. Em momentos de medo e de total insegurança. Sobre as lutas e os desesperos que monto. Nos lugares bonitos e[…]

Continue a ler …

Descaso

O que está acontecendo? Quando foi que começamos a ter o direito de tratar pessoas como lixo? Quem foi que nos ensinou que belos, ricos, intelectuais tem direito a ser humanos melhores? Ignorando limites, fingindo[…]

Continue a ler …

Não servimos para namorar

E então adentramos sem celular na mão, esperamos encontrar pessoas incríveis, com papos mirabolantes, com relações reais, e mesmo assim, voltamos para casa sozinhos. Somos invisíveis num mundo de status onde as pessoas não vão[…]

Continue a ler …

Abusivos

Sofridos ou causadores, segredos regredidos a motivos que todo abusivo abuso causa, cria, monta. Sempre propícios a ir além do deixado limite de alguém, de algo, para algo só nosso. Sempre buscando os limites da[…]

Continue a ler …

Empáticos

Marcados por grilhões sentimentais. Ilhados espalhados por montanhas de estimas e achismos, melosos e palpáveis. Sempre tão acessíveis! Não mais empáticos, não mais, não. Incapacitados de ver o outro com carinho de quem senti, sempre[…]

Continue a ler …

O que você faz com a raiva?

Eu ainda me pergunto como os pássaro voam dois mil quilômetros sem se perder, sem bater, sem temer. Ainda me pergunto como fazem quando não conseguem. Pássaros que perdem os ovos para as raposas e[…]

Continue a ler …

Doentes sentimentais

Sempre em constante tratamento, com todos os argumentos para estar melhor agora quando perguntado, no fim doentes. Amargurados, sofridos, ilhados. Progredidos regredidos ardidos pelo desprezo do mundo. Mais racionais e ilegais. Mais solitários rodeados de[…]

Continue a ler …

Reclamões

Fugitivos dos motivos, desculpados dos acasos que causamos, certos dos erros que entregamos para que outros se sintam mal, patéticos declamadores do jeito nosso de fazer o certo, auto decretados inocentes e inconformados com as[…]

Continue a ler …

Óbvios

Cansa como planejar uma vingança que não faz sentido algum, falando nisso, vingança não faz sentido algum. Esses óbvios que tomam as minhas conversas com a razão. Esses lógicos que monocromatizam minhas obscenas ideias sentimentais.[…]

Continue a ler …

Falhando miseravelmente

De formas colossais, banais, geniais ou incríveis. Falháveis! Destemidamente tentado ao sucesso, falhamos. Irrevogáveis em tentativas mirabolantes, falhamos. Coesos vistos poéticos e éticos, falhamos também. Propensos ao fracasso de sempre quando o sempre não nos[…]

Continue a ler …

Motivos

Tão destemidos achamos que somos descansados em razões. Tão protegidos estamos conjurando as vocações dos acontecidos esquecidos em nós. Tão concentrados em sermos ilhados nos caminhos que traçamos para o sucesso, tão sós, tão finitos.[…]

Continue a ler …

Predefinidos

Chegados prontos, julgados montados, eleitos o que querem que sejamos. Por gênero, cor, sexualidade. Por motivos, razões ou arbitrariedades. Irregulares “pré qualquer coisa”. Vivemos e morremos imagens, sangramos e suamos exemplos, existimos estimados na opinião[…]

Continue a ler …

Eu lamento

Por tudo que não tenhamos culpa, culpamos! Por mais sombria que seja a verdade que nos motiva, por mais silenciosa que seja toda essa nossa procrastinação, lamentamos. Lamentamos pela chuva que cai e não temos[…]

Continue a ler …

Ou você é de fatos ou é de sorte

Sempre divididos entre as questões mais enigmáticas, os problemas mais asmáticos, hipotéticos ou patéticos! A quem conte de forma diferente, mas confundir fatos merecidos com sorte ocasional, é um erro precoce. A quem faça dos[…]

Continue a ler …

Prazeres baratos

Que tenhamos prazeres que possamos pagar e manter até que virem coisas que não façam mais sentido. Diga-me, com todo o imediatismo que estamos tendo, me diz você, nesse exato momento da sua vida, você[…]

Continue a ler …

Brutalmente pressionados

  Eu sei que você está cansado também! Todo o peso do mundo nas costas de um só, é assim que você acha que a humanidade divide o fardo? Será mesmo que só você está[…]

Continue a ler …

Etiquetas

Eu corto, me incomodam! Tem uma no fundo do sapato, diz o tamanho em três países. Tem na capa do livro e no pacote de pão. Eu gosto das que vem estilizadas e de cores[…]

Continue a ler …

Atura ou surta

Incontáveis foram as vezes em que eu me solicitei abrandar. Por vários descontroles eu me controlei e depois descontrolei por frustração, terror, horror. Os mais altos baixos que já passamos. Os mais demorados rápidos que[…]

Continue a ler …

Divino

Não, eu não vou falar de Deus. Perto o bastante do perfeito equilíbrio. Durante o instante exato do que precisa e do que acontece. Diante ao exato momento de onde deveríamos para onde estaríamos se[…]

Continue a ler …

Um ensaio sobre a colher

  O quão simples é falar de coisa simples? Sugestivos motivos imensos os que nos incapacitam poetizar pequenas coisas. Grandes coisas, estas sempre bem entrelaçadas em histórias incrivelmente máximas. Humanos ostentadores de momentos sutilmente inventados.[…]

Continue a ler …

Infantilidades adultas

  Em tempo de adultos por vocação, a infância se embolada e isola os anos de evolução. Ainda estamos aprendendo a usar a idiotice como explicação, e por isso, estamos ficando adultos tão cedo. Compreendedores[…]

Continue a ler …

Bastidores

Por trás de toda grande cena, espetaculares seres comuns. Aparatados por camadas de perfeição, unidos e fortificados por toda incrível motivação, eternos atuadores. Comuns gladiando-se nos palcos da vida. Chorosos e invejosos humanos normais. Em[…]

Continue a ler …