Reclamões

Fugitivos dos motivos, desculpados dos acasos que causamos, certos dos erros que entregamos para que outros se sintam mal, patéticos declamadores do jeito nosso de fazer o certo, auto decretados inocentes e inconformados com as[…]

Continue a ler …

Óbvios

Cansa como planejar uma vingança que não faz sentido algum, falando nisso, vingança não faz sentido algum. Esses óbvios que tomam as minhas conversas com a razão. Esses lógicos que monocromatizam minhas obscenas ideias sentimentais.[…]

Continue a ler …

Falhando miseravelmente

De formas colossais, banais, geniais ou incríveis. Falháveis! Destemidamente tentado ao sucesso, falhamos. Irrevogáveis em tentativas mirabolantes, falhamos. Coesos vistos poéticos e éticos, falhamos também. Propensos ao fracasso de sempre quando o sempre não nos[…]

Continue a ler …

Motivos

Tão destemidos achamos que somos descansados em razões. Tão protegidos estamos conjurando as vocações dos acontecidos esquecidos em nós. Tão concentrados em sermos ilhados nos caminhos que traçamos para o sucesso, tão sós, tão finitos.[…]

Continue a ler …

Predefinidos

Chegados prontos, julgados montados, eleitos o que querem que sejamos. Por gênero, cor, sexualidade. Por motivos, razões ou arbitrariedades. Irregulares “pré qualquer coisa”. Vivemos e morremos imagens, sangramos e suamos exemplos, existimos estimados na opinião[…]

Continue a ler …

Eu lamento

Por tudo que não tenhamos culpa, culpamos! Por mais sombria que seja a verdade que nos motiva, por mais silenciosa que seja toda essa nossa procrastinação, lamentamos. Lamentamos pela chuva que cai e não temos[…]

Continue a ler …

Ou você é de fatos ou é de sorte

Sempre divididos entre as questões mais enigmáticas, os problemas mais asmáticos, hipotéticos ou patéticos! A quem conte de forma diferente, mas confundir fatos merecidos com sorte ocasional, é um erro precoce. A quem faça dos[…]

Continue a ler …

Prazeres baratos

Que tenhamos prazeres que possamos pagar e manter até que virem coisas que não façam mais sentido. Diga-me, com todo o imediatismo que estamos tendo, me diz você, nesse exato momento da sua vida, você[…]

Continue a ler …

Brutalmente pressionados

  Eu sei que você está cansado também! Todo o peso do mundo nas costas de um só, é assim que você acha que a humanidade divide o fardo? Será mesmo que só você está[…]

Continue a ler …

Etiquetas

Eu corto, me incomodam! Tem uma no fundo do sapato, diz o tamanho em três países. Tem na capa do livro e no pacote de pão. Eu gosto das que vem estilizadas e de cores[…]

Continue a ler …

Atura ou surta

Incontáveis foram as vezes em que eu me solicitei abrandar. Por vários descontroles eu me controlei e depois descontrolei por frustração, terror, horror. Os mais altos baixos que já passamos. Os mais demorados rápidos que[…]

Continue a ler …

Divino

Não, eu não vou falar de Deus. Perto o bastante do perfeito equilíbrio. Durante o instante exato do que precisa e do que acontece. Diante ao exato momento de onde deveríamos para onde estaríamos se[…]

Continue a ler …

Um ensaio sobre a colher

  O quão simples é falar de coisa simples? Sugestivos motivos imensos os que nos incapacitam poetizar pequenas coisas. Grandes coisas, estas sempre bem entrelaçadas em histórias incrivelmente máximas. Humanos ostentadores de momentos sutilmente inventados.[…]

Continue a ler …

Infantilidades adultas

  Em tempo de adultos por vocação, a infância se embolada e isola os anos de evolução. Ainda estamos aprendendo a usar a idiotice como explicação, e por isso, estamos ficando adultos tão cedo. Compreendedores[…]

Continue a ler …

Bastidores

Por trás de toda grande cena, espetaculares seres comuns. Aparatados por camadas de perfeição, unidos e fortificados por toda incrível motivação, eternos atuadores. Comuns gladiando-se nos palcos da vida. Chorosos e invejosos humanos normais. Em[…]

Continue a ler …

Critérios

  Pré selecionando o jeito mais correto de selecionar o jeito certo. Criando os ideais mais aceitáveis as leais tentativas. Criteriosos somos. Sempre avaliando e arredondando valores. Desbravadores das dores que julgamos aceitáveis, exploradores das[…]

Continue a ler …

Carta aberta ao desespero

Se você estiver de acordo, eu quero trégua. É sempre uma correria sem fim, para no fim, justificar toda a correria! É sempre uma busca platônica por tudo que nem queremos de verdade. Por mim,[…]

Continue a ler …

Inexorável

Para qual, o que não cede ou se abala diante de súplicas e rogos; inflexível, implacável. Inexorável! Dos sólidos motivos líquidos dos então intocáveis instantes instáveis do sempre. Das pessoas que somos ou queremos ser[…]

Continue a ler …

A sombra do encanto

E então, fugir para qual canto? E do medo do excepcionalmente perfeito momento. Aquele instante talento de temer o que só de ver arrepia. Ao encantado, resta o fardo de viver a tremula insinuação da[…]

Continue a ler …

Ignorante

Por não aceitar ou respeitar, por esbravejar ou amedrontar. Ignorante. Uma reação, nunca antes uma opção controlada. Uma reação muitas vezes desmiolada do instinto viril do despreparado. O abraço mais apertado do violado perdedor. A[…]

Continue a ler …

Reclame

  Se for por um bom motivo e for do fundo do coração, reclame! Diante ao grande montante de gente que só descontente fala algo de algo, sejamos responsáveis pelos aclamados motivos amáveis de falar[…]

Continue a ler …

Quem eramos antes da internet?

  Você é capaz de dizer? Das mudanças súbitas da vida, dos balanços trêmulos do bom e ruim, das coisas fúteis e  banais, dos iguais dias de sempre, quem seriamos? Incapacitados não conectados. Individualizados não[…]

Continue a ler …

Sobre a mesa

  Tenho uma mesa na entrada da casa, a toalha é branca e nela varias coisas necessariamente desnecessárias tomam todo o espaço. Minha mesa é o teclado de atalho de tudo que me coordena. Estranho?[…]

Continue a ler …