Vítimas

Hoje assim, alvos sempre salvos por bem pouco! Dias de pessoas gigantescamente pequenas, pouco amadas por si mesmo e muito pouco toleradas em qualquer momento só como elas mesmas. Pessoas passando pelos problemas mais incríveis[…]

Continue a ler …

Por um triz

Em pequenas partes de instantes que mudam tudo. Em pequenas frases montadas em motivos ácidos de uma discussão. No domínio minoritário da razão. Nos resultados inesperados de maldades ou bondades repletas de interesse próprio. Por[…]

Continue a ler …

Dica de um homem sem coração

É proibido gostar! Não goste de ninguém, principalmente se esse alguém não souber o que é gostar. Pode parecer um aviso recalcado, mas não é isso. Vivemos tempo de pessoas destruídas, pessoas embaladas em camadas[…]

Continue a ler …

Reinventando

Vivendo dias de total empenho, total dedicação a ação de ser total. Estudiosos assombrados pela necessidade de superar. Estudos elaborados para ir além, para deixarmos de sermos reféns. Nós, simples humanos determinados a sermos incríveis. Simples[…]

Continue a ler …

Bens de um conflito

Tão dramáticos com a ideia de afrontar. Tão medrosos com os conflitos. Tão errôneos ao julgar os diálogos contraditórios. Brigar te aborrece, afasta, irrita e te apaixona. Mau do humano que contrariado se entrega. Contrários[…]

Continue a ler …

Um pedido de desculpas sem motivo

É simplesmente por que acredito que você lendo pode entender melhor. Eu nem erro mais com você, já passei desse nível de problematização. Eu agora, ao cometer um desacordo me despedaço. Sei que não deveria[…]

Continue a ler …

Eu dependo de idiotas

De todas as maneiras possíveis! E quando choro de raiva, quando sou grosseiro e egocêntrico. Em momentos de medo e de total insegurança. Sobre as lutas e os desesperos que monto. Nos lugares bonitos e[…]

Continue a ler …

O que ouvimos em silêncio?

Desertos, mares, florestas e vastos campos de culpa. Que sons ouvimos quando a ostentação e a auto promoção se cala? Que cacofonia ritmamos nas obrigações que não cumprimos? Quais medos guardamos e quais medos sentimos?[…]

Continue a ler …

No canto da estrada

Ele tinha por volta dos setenta, essa era a idade que eu supunha ver estampado no cansaço que só dele exalava. Era pura dor de vida! Suado, marcado com os cantos das unhas sujas, me[…]

Continue a ler …

Em posição de dizer dane-se

Então quem? Talvez o milionário, o famoso, o intelectual. O poderoso, o corajoso, o colossal. Quem? Todos devedores monetários, sentimentais. Devedores temporais, idealistas. Todos aprisionados. Nascidos livres, hoje reclamados e aclamados sem liberdade. Iludidos, enganados[…]

Continue a ler …

Não servimos para namorar

E então adentramos sem celular na mão, esperamos encontrar pessoas incríveis, com papos mirabolantes, com relações reais, e mesmo assim, voltamos para casa sozinhos. Somos invisíveis num mundo de status onde as pessoas não vão[…]

Continue a ler …

Treinado a ver sem olhar

Todos soldados, atravessadores de desafios impossíveis, julgados novatos por toda a vida onde a vida munda as regras que não sabemos ver. Sempre ligados aos sentimentos, que cheiramos, que ouvimos, que colorados ardem. Sempre atentos[…]

Continue a ler …

Empáticos

Marcados por grilhões sentimentais. Ilhados espalhados por montanhas de estimas e achismos, melosos e palpáveis. Sempre tão acessíveis! Não mais empáticos, não mais, não. Incapacitados de ver o outro com carinho de quem senti, sempre[…]

Continue a ler …

O que você faz com a raiva?

Eu ainda me pergunto como os pássaro voam dois mil quilômetros sem se perder, sem bater, sem temer. Ainda me pergunto como fazem quando não conseguem. Pássaros que perdem os ovos para as raposas e[…]

Continue a ler …

Autenticidade

Um crime sem precedentes aparentes contra a sociabilidade que só o igualitarismos mórbido das “mesmas coisas” pode nos dar. Ser alguém que você pode confiar, hoje gera muita desconfiança. Culpados por todo esse “pé atrás”,[…]

Continue a ler …

A rebelia

É, eles querem nos intimidar! Querem que sejamos legais, educados, cordiais. Querem certezas dos nossos progressos, riquezas. Querem ler nossos nomes em artigos de jornais. Querem que possamos divertir a eles. Querem nos ter como[…]

Continue a ler …

Doentes sentimentais

Sempre em constante tratamento, com todos os argumentos para estar melhor agora quando perguntado, no fim doentes. Amargurados, sofridos, ilhados. Progredidos regredidos ardidos pelo desprezo do mundo. Mais racionais e ilegais. Mais solitários rodeados de[…]

Continue a ler …

Reclamões

Fugitivos dos motivos, desculpados dos acasos que causamos, certos dos erros que entregamos para que outros se sintam mal, patéticos declamadores do jeito nosso de fazer o certo, auto decretados inocentes e inconformados com as[…]

Continue a ler …

Evolua

Tristes dias os que nos diminuem a tentativa chula do entendimento. Tristes tempos em que consumimos a necessidade de sermos acessíveis limitados pelos limitados procrastinantes. Tediante, irritante senso comum que me vence. Talvez deprimente, evidente[…]

Continue a ler …

Óbvios

Cansa como planejar uma vingança que não faz sentido algum, falando nisso, vingança não faz sentido algum. Esses óbvios que tomam as minhas conversas com a razão. Esses lógicos que monocromatizam minhas obscenas ideias sentimentais.[…]

Continue a ler …

Falhando miseravelmente

De formas colossais, banais, geniais ou incríveis. Falháveis! Destemidamente tentado ao sucesso, falhamos. Irrevogáveis em tentativas mirabolantes, falhamos. Coesos vistos poéticos e éticos, falhamos também. Propensos ao fracasso de sempre quando o sempre não nos[…]

Continue a ler …