Ego

O nosso velho excesso de consideração.

Como escrever sobre como olhamos para nós mesmo? Como escrever a visão perfeita dos nossos julgamentos? Como ler que somos frutos das experiencias que vivemos e não vemos como causadores?

Percebidos que não mais desbravadores do nós somos. Reescritos diários para adaptados aos problemas que causamos, lamentamos depois as consequências das imprudências doutros. Supondo que nossas dores nos progridem, regredimos ao pensar que outros poderiam viver a mesma história. Contamos experiências para engrandecer a capacidade única que temos de passar por elas. Só por isso, só pra isso!

Escrevo eu olhando o meu ego, julgando o meus erros, aceitando que escrever é a consequência das experiencias que vive. Deixar você escolher ler, é a diferença do controlar ou ser controlado pelo meu excesso de consideração. E você, quem está controlando os seus excessos?

Related Posts

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *