Instintivamente selvagens

Enjaulados, presos em prisões sociais, lugares racionais onde os compartimentos e sentimentos tem que estar. Sempre?!

Selvagens sutilmente libertos em instantes minuciosos dos avulsos ecos do instinto. Vivos regredidos nos balanços das músicas, nos prazeres do corpo, na revolta de cada guerra pessoal.

Por mais evoluídos que sejamos, ainda estamos e somos selvagens em momentos significativos. Ainda urramos e suamos como animais, ainda brigamos e lutamos com a fúria cega de quem protege a frágil vida.

Sim, em momentos comuns ainda somos errôneos, brutos, medrosos e sobreviventes. Todos ainda somos selva quando podemos ser nós mesmos.

Related Posts

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *